Selo GP ANO 37 - Nº 1861
Pará de Minas 08/04/2021
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
Selo GP ANO 37 - Nº 1861
Pará de Minas 08/04/2021
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e imparcialidade, desde 84

A VERBA INDENIZATÓRIA, OS TROVÕES E A CHUVA

12/02/2021 | Notícias Variadas

Já está no Tribunal de Contas de Minas Gerais a denúncia com pedido de liminar, apresentada pelo OSB local - Observatório Social do Brasil, em relação à Verba Indenizatória paga pela câmara aos vereadores. A iniciativa coincide com o momento em que também tramita no Legislativo projeto de lei, por parte de novos vereadores, com a proposta de acabar com o benefício mensal de até R$ 1.041,00 por vereador. A utilização da verba indenizatória é legal, mas tem sido criticada pelos trabalhadores, de modo geral. Tempos atrás, essa verba era de quase R$ 2 mil e, no fim do mandato passado, dos 17 vereadores apenas 3 ainda a utilizavam. Se o projeto em tramitação for aprovado, essa indenização referente às despesas do exercício parlamentar deixará de existir. A maioria das despesas é referente ao consumo de combustível, fundamentado em visitas dos vereadores a diversos bairros e em viagens a outros municípios, com a finalidade de tratar de assuntos relacionados ao exercício do mandato. Porém, os vereadores têm apresentado justificativa, citando apenas o destino e a quilometragem, sendo que a maioria dos deslocamentos acontece no próprio município e pela Constituição Federal somente as situações excepcionais podem assegurar o ressarcimento desse tipo de despesa. Portanto, para o OSB, visitas aos bairros não devem ser indenizadas, por serem consideradas habituais. E no caso das viagens, elas poderiam ser acobertadas pelas diárias que já são regulamentadas na câmara. Por esse entendimento, o observatório requereu do Tribunal de Contas que seja determinada uma medida cautelar, suspendendo o pagamento da verba, em caráter de urgência, até a análise da denúncia. E para o caso do Tribunal de Contas ter outro entendimento, solicita, então, as providências para que sejam regularizadas as comprovações das despesas, especialmente daquelas oriundas dos gastos com combustível.

MUITA TROVODA E POUCA CHUVA - Claro queas comprovações das despesas com a Verba Indenizatória têm de ser rigorosas e não extinguir a Verba Indenizatória. Afinal, o que significam R$ 17.697,00 mensais (resultado da multiplicação de R$1.041,00 por 17 vereadores), se comparados com o grande volume de dinheiro arrecadado em Pará de Minas, todo mês? Isso, em nada mudaria a situação financeira dos cofres municipais. Ou seja, essa iniciativa, por parte dos vereadores, teria maisefeito moral - inclusive eleitoreiro - do que financeiro. Infelizmente, há outras atitudes muito mais importantes do que essa, para serem tomadas para, realmente, ajudar a melhorar esta cidade. Como se diz no popular, é muita trovoada para pouca chuva...


Mais da Gazeta

Exclusivo

QUEM FOI


LENIR DA CONCEIÇÃO MEDINA?
<p><p></p>

<p><b>QUEM FOI</b></p><br></p>

ADORO O GP JORNAL

“Admiro o GP Jornal, por permanecer no mercado, há tantos anos, e com a mesma qualidade das informações!”
MARIA ELIZA C. FARIA, empresária
Adoro o GP Jornal