Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1931
Pará de Minas 18/08/2022


exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

AFINAL, ONDE ESTÁ A VERDADE SOBRE O “FECHAMENTO” DA COOPARÁ?

exclusivo

GIRANDO POR AÍ

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

HISTÓRIA DE VIDA

WANDERCY CORREA STEIN, 85
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“A GAZETA sempre mantém a população pará-minense atualizada, com informações precisas!”
CARLOS ALBERTO DE MOURA MORATO, empresário.

Notícias

APOIO DOS PATAFUFOS AOS CAMINHONEIROS

 Começou no dia 21 de maio a greve dos caminhoneiros contra a disparada do preço do diesel e com objetivo de parar todo o Brasil, até que haja a redução no preço. Essa greve vem causando reflexos por todo o país, como falta de combustível, ônibus com frota reduzida, hospitais e comércio sofrendo com a falta de equipamentos e alimentos. Em Pará de Minas, a população realizou no dia 25, sexta-feira, uma carreata em apoio aos caminhoneiros. A reportagem GP conversou com um dos organizadores do protesto, Itelmaia Soares, mais conhecido como Júnior do Escolar. Veja o que ele disse.
“O segmento do transporte escolar resolveu aderir à essa paralisação dos caminhoneiros, pois achamos abusivo o preço dos combustíveis. Apesar de estarmos vendo em Pará de Minas essa situação de calamidade, faltando combustíveis em todos os postos, sabemos que a população já está cansada dessa corrupção, desses aumentos, dessa prática abusiva, baseada no mercado internacional. A gente não está dando conta mais, porque o custo está muito alto e está assim em todos os segmentos, não é só o transporte escolar não. Então, de forma passiva e ordenada, sem tumulto, fizemos esta carreata de protesto, em apoio aos caminhoneiros,” explica Júnior.

E A INTERVENÇÃO MILITAR? - A reportagem GP conversou também com o estudante Lucas Rodrigues Santos, que esteve acompanhando não só a carreta local, como toda a paralisação. Veja o que ele disse.
“Essa manifestação é muito válida e, com certeza, tinha que acontecer. É um direito nosso, como cidadãos, mas tem alguns excessos. Há coisas que são demais, como o presidente e o pessoal aí pedindo por intervenção do exército nessa paralisação. Isso é demais! Mas, com certeza, essa paralisação, essa manifestação com o pessoal nas ruas fazendo com que os direitos sejam respeitados, é válida demais,” afirma Lucas.

Mais da Gazeta