Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1923
Pará de Minas 24/06/2022


exclusivo

UNIVERSO FAPAM

exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GIRANDO POR AÍ

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

ATÉ AQUI,FATALIDADE ASSIM SÓ ERA VISTA NO FILME PREMONIÇÃO

exclusivo

HISTÓRIA DE VIDA

VERA LÚCIA SENA VALADARES
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“O GP Jornal é informação e entretenimento, com qualidade e confiabilidade!”
VINÍCIUS PEREIRA DOURADO, médico cardiologista

Notícias

BOLSA FAMÍLIA: DUAS MIL FAMÍLIAS LOCAIS A RECEBEM

Em julho, o Bolsa Família terá um reajuste de 5,67% no valor do benefício médio. Com a alteração, o valor passará de R$ 177,71 para R$ 187,79. A reportagem GP conversou com a assistente social Denise Alencar de Castro, que deu mais detalhes. Informe-se.
“Esse acréscimo de, mais ou menos, dez reais é nacional e começa a valer em julho, com as famílias recebendo, a partir de agosto. As famílias terão um aumento gradativo, de acordo com a composição da família. Temos benefícios para o adolescente, para a criança, para a gestante, para as famílias em extrema pobreza. Cada um terá um acréscimo de 6,67%. Esse acréscimo se dá, devido a uma suplementação no orçamento de R$ 684 milhões (nacionalmente falando), ampliando a possibilidade de melhorar esse recurso repassado para as famílias. Apesar de o valor ser baixo, é a fonte de renda de muitas famílias. Então, qualquer aumento já é válido,” explica Denise.

QUEM PODE RECEBER? - “Em Pará de Minas temos umas oito mil famílias cadastradas no Bolsa Família, mas apenas duas mil recebem, pois têm que estar dentro dos critérios. Para receber é preciso ter uma renda per capita (por cabeça) menor que R$ 178,00. São só famílias críticas, que realmente precisam. Temos muitas denúncias de pessoas que trabalham, possuem renda e na hora de declarar coloca zero. Então, com essa informalidade é difícil fazer o controle. Existe um grupo de pessoas que se aproveita dessa informalidade para receber, mas existe um público realmente carente, que passa fome e a única fonte de renda deles é o Bolsa Família.”

Mais da Gazeta