Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1931
Pará de Minas 18/08/2022


exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

AFINAL, ONDE ESTÁ A VERDADE SOBRE O “FECHAMENTO” DA COOPARÁ?

exclusivo

GIRANDO POR AÍ

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

HISTÓRIA DE VIDA

WANDERCY CORREA STEIN, 85
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“A GAZETA sempre mantém a população pará-minense atualizada, com informações precisas!”
CARLOS ALBERTO DE MOURA MORATO, empresário.

Notícias

OSB PEDE EXPLICAÇÃO SOBRE OBRA ABANDONADA

 Uma visita de representantes do OSB – Observatório Social do Brasil, no Conjunto Habitacional São Vicente de Paulo detectou que o local, onde deveria estar em fase final de construção uma Unidade Básica de Saúde, está completamente abandonado. No terreno existem poucas paredes de tijolos e boa parte dele está tomada pelo mato. Vizinhos denunciaram, inclusive, que uma família estaria propensa a se mudar para lá, depois de limpar parte do lote. Diante dos fatos, o OSB pesquisou os portais da transparência municipal e estadual, verificando que o convênio firmado entre o Governo de Minas e a prefeitura de Pará de Minas prevê o próximo dia 1º de julho como data limite para o início da segunda fase de execução da obra, avaliada em R$1.132.433,91. Como isso não acontecerá, já que não houve sequer processo licitatório, o OSB pesquisou também se o referido convênio teria sido anulado, mas apurou que não. Assim sendo, encaminhou ofício para a prefeitura, solicitando esclarecimentos. A resposta acaba de chegar, informando a necessidade de mudanças no projeto arquitetônico, de modo a atender as necessidades do município. Isso, porque, pelo convênio está prevista a construção de uma UBS tipo III, mas o modelo que atende ao bairro é o tipo II, até mesmo pelo espaço disponível no terreno. Dessa forma, a secretaria de saúde solicitou adequação do projeto e a guarda os trâmites operacionais. Também foi informado que a empreiteira vencedora da licitação já foi notificada várias vezes pelo descumprimento das cláusulas contratuais. Depois disso, ela mesma paralisou a obra, forçando o município a rescindir o contrato, de maneira unilateral.

Mais da Gazeta