Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1918
Pará de Minas 20/05/2022


exclusivo

GANHO PESSOAL

exclusivo

GIRANDO POR AÍ

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

CANTORA LOCAL VAI DIRETO PARA A FINAL DO CANTA COMIGO

exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

QUEM FOI

NELSON ALVES MARZAGÃO?
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“Todo esforço merece reconhecimento e o GP Jornal sabe valorizar cada um de nós, como ninguém!”
VITOR DOS SANTOS SILVA, estudante de educação física.

Notícias

PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO

A sigla Arsap não é difícil de se pronunciar. Já a razão social é um pouco mais complicada, assim como o papel que ela exerce: Agência Reguladora dos Serviços Públicos de Abastecimento de Água Potável e Esgotamento Sanitário do Município de Pará de Minas. Para você que ainda não sabe o que é, trata-se de uma autarquia municipal, uma espécie de Anatel em Pará de Minas. Só que, ao invés, de cuidar do setor de telecomunicações, a Arsap resguarda os recursos hídricos. Em atividade desde abril de 2017, a Arsap atua em várias frentes, começando pela fiscalização permanente dos serviços prestados pela concessionária Águas de Pará de Minas, através da Estação de Tratamento de Água (Eta) e da Estação de Tratamento de Esgoto (Ete). Duas vezes por semana seus fiscais também inspecionam os treze poços artesianos existentes nos distritos. Quase vinte empresas que lançam esgoto no corpo hídrico da cidade hoje são monitoradas, constantemente. Todos os esforços têm a finalidade de preservar a água e sua qualidade, no município. Em 2018, a meta prioritária da Arsap é acabar com a clandestinidade de poços artesianos existentes em Pará de Minas. Em ação conjunta com a Vigilância Sanitária, seus fiscaisjá estão inspecionando os poços clandestinos. Os proprietários que não fizerem a regulamentação deles terão de lacrá-los em obediência à lei federal, que considera de propriedade da União toda a água existente no subsolo, mesmo que o terreno seja particular. Diante de tudo isso, a diretoria procurou o OSB local - Observatório Social do Brasil para que passe a monitorar os relatórios mensais emitidos pelaArsap.

Mais da Gazeta