Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1930
Pará de Minas 12/08/2022


exclusivo

GIRANDO POR AÍ

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

MAIS UMA VEZ, SEÇÃO GRITO POPULAR MOSTRA SUA FORÇA

exclusivo

UNIVERSO FAPAM

exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

HISTÓRIA DE VIDA

OLINDA MARIA STAIN, 81
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“Credibilidade e imparcialidade em jornalismo é com a GAZETA!”
GABRIEL JOSÉ BARBOSA PALOTTI, administrador e Garra Profissional 2021 no agronegócio

Notícias

“ESSE DINHEIRO É DO MUNICÍPIO!”

Começou o vencimento da segunda parcela do IPVA e, até o momento, os municípios mineiros não receberam o repasse do que já foi quitado em Minas. Quarenta por cento deve retornar aos municípios, onde os veículos são emplacados, mas o governo mineiro não tem feito os devidos repasses, complicando a vida financeira de algumas prefeituras. A reportagem GP conversou com o prefeito Elias Diniz que disse que esse débito foi o principal motivo de ele não ter enviado o projeto de reajuste dos servidores à câmara municipal ainda. Veja mais.
“Temos uma situação delicada, não só para Pará de Minas, mas em diversas cidades, que é a transferência daquilo que é nosso, referente ao IPVA. Quarenta por cento do IPVA é do município e são eles que farão a composição para que possamos de fato montar a nossa planilha até o fim do ano. O reajuste do servidor público já estava todo pronto, através de um projeto de lei, porém não podemos dar esse aumento se não tivermos uma segurança financeira, que vem de encontro ao segundo melhor repasse que temos,que é o referente ao IPVA. Não podemos ser irresponsáveis no sentido de dar um aumento e, depois, não pagar. Precisamos garantir que a nossa conta possa estar segura e, com isso, estamos tomando providências. Vamos aguardar, no máximo, até o dia 25, senão começa a colocar em risco outros compromissos e não queremos isso. Vamos manter aquilo que estamos fazendo, desde o início do nosso governo: honrar compromissos. Não podemos deixar que uma situação de um recurso que é do município vir a cobrir furos que ocorreram no governo do Estado. Esse dinheiro é do município e nós queremos sanar esse problema. Temos que tomar atitudes, não só administrativas, como jurídicas, para honrar aquele recurso que é do município e que faz falta em todos os sentidos, como áreas da saúde, educação e ação social.”


Mais da Gazeta