Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1930
Pará de Minas 12/08/2022


exclusivo

GIRANDO POR AÍ

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

MAIS UMA VEZ, SEÇÃO GRITO POPULAR MOSTRA SUA FORÇA

exclusivo

UNIVERSO FAPAM

exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

HISTÓRIA DE VIDA

OLINDA MARIA STAIN, 81
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“Credibilidade e imparcialidade em jornalismo é com a GAZETA!”
GABRIEL JOSÉ BARBOSA PALOTTI, administrador e Garra Profissional 2021 no agronegócio

Gozacao Pura

POLÍCIA INTERDITA BAILE FUNK ILEGAL EM ESPAÇO RENOMADO

Euzinha nem acredito no que a galera faz, hoje em dia, faz pra ganhar dinheiro. Acredite se quiser, mas até arriscar a vida de outras pessoas elas estão arriscando. Está sentado(a), para ouvir a bomba quentíssima de hoje? Então, prepare-se. Todo mundo está careca de saber que a pandemia tem dado uma trégua para os patafufos. Um empresário da terrinha que, de bobo não tem nada, teve, então, a brilhante ideia de realizar eventos de funk, mas não clandestinos como os que vêm sendo realizados em sítios e chácaras. Aí, ele alugou um salão de festas renomado, e começou a fazer eventos de funk lá, trazendo mc’s de outras cidades para apresentarem aqui os seus shows. Para entrar, bastava adquirir ingresso ao preço razoável de 30, 35 reais. Tipo pagou, levou. Qualquer pessoa pode entrar, misturando ali ricos, pobre, marginais, patricinhas, LGBTs e até menores. Me contaram que poderia entrar até com drogas..., barra pesada mesmo. Segurança só se você usar colete à prova de balas. Mesmo assim, tem de ter muita coragem. Euzinha fiquei sabendo que teria outro evento de funk lá, mas a PM realizou uma operação conjunta com os comissários do Juizado de Menores que solicitaram apresentação de alvará, emitido pela prefeitura. Mas o tal empresário não tinha absolutamente nenhuma documentação para a realização do evento. Durante a intervenção, uma adolescente, 16, foi abordada pelos policiais, antes de entrar. Moral da história: a festa foi interditada pelos comissários que autuaram administrativamente o organizador do evento. BUUUMMM!!! 

A PERGUNTA QUE NÃO QUER CALAR – Será que o dinheiro dos ingressos foi devolvido a todos?

ATÉ BREVE! E DE LEVE...

Você não sabe quem sou eu, mas euzinha sei tudo sobre você!

(*) Colaborador que só escreve fake news (notícias falsas).



Mais da Gazeta