Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1923
Pará de Minas 24/06/2022


exclusivo

UNIVERSO FAPAM

exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GIRANDO POR AÍ

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

ATÉ AQUI,FATALIDADE ASSIM SÓ ERA VISTA NO FILME PREMONIÇÃO

exclusivo

HISTÓRIA DE VIDA

VERA LÚCIA SENA VALADARES
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“O GP Jornal é informação e entretenimento, com qualidade e confiabilidade!”
VINÍCIUS PEREIRA DOURADO, médico cardiologista

Notícias Variadas

ARRECADAÇÃO ELEVADA E RETORNO BAIXO

Sustentado no objetivo de promover a educação fiscal, o O S B local - Observatório Social do Brasil acaba de levantar o total de recursos pagos neste ano pelos contribuintes, tanto em âmbito municipal e estadual como federal. De acordo com o impostômetro, que mede a arrecadação em tempo real, de janeiro até agora, os contribuintes pará-minenses já pagaram R$ 36.334.000,00 em tributos. O volume de recursos é impactante e traz à tona novamente a necessidade do papel do O S B no controle social. A função do observatório vai muito além de monitorar as despesas do poder público municipal, compreendido entre a câmara e a prefeitura. Para saber mais, a reportagem GP conversou com o presidente do O S B local, Carlos Daniel de Souza. Veja.

“É preciso mostrar aos cidadãos que nada que as gestões públicas fazem é de graça. De uma simples prestação de serviços até o atendimento médico ou uma obra complexa, tudo é bancado pelo bolso do contribuinte. As pessoas têm o hábito de reclamar, mas demonstram pouco interesse na vida pública,” conclui Carlos.

REALIDADE DO BRASIL - No ranking dos trinta países com a maior carga tributária do mundo, o Brasil aparece em último lugar, com o pior retorno dos valores arrecadados para serviços de qualidade, que venham a gerar bem-estar à população. A informação consta no levantamento feito pelo I B P T - Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário, que considera a carga tributária de cada país e o I D H - Índice de Desenvolvimento Humano, que mede o grau de desenvolvimento em relação à educação, saúde e renda. Segundo especialistas, o resultado reflete o mau emprego da arrecadação tributária, acentuando as políticas públicas equivocadas, há décadas, que levam a uma arrecadação elevada, sem retorno à altura para a sociedade.


Mais da Gazeta