Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1930
Pará de Minas 12/08/2022


exclusivo

GIRANDO POR AÍ

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

MAIS UMA VEZ, SEÇÃO GRITO POPULAR MOSTRA SUA FORÇA

exclusivo

UNIVERSO FAPAM

exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

HISTÓRIA DE VIDA

OLINDA MARIA STAIN, 81
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“Credibilidade e imparcialidade em jornalismo é com a GAZETA!”
GABRIEL JOSÉ BARBOSA PALOTTI, administrador e Garra Profissional 2021 no agronegócio

Notícias Variadas

HUMANIZAÇÃO DE ATENDIMENTO HOSPITALAR


Em busca de diminuir a distância entre os pacientes internados em isolamento e seus familiares, o HNSC - Hospital Nossa Senhora da Conceição iniciou um novo projeto. Trata-se do Prontuário Afetivo, que busca humanizar o atendimento e o elo entre famílias, pacientes e hospital. Diariamente, há uma assistente social do HNSC que liga para as famílias para saber como elas estão passando por esse momento e se estão recebendo todas as informações sobre o paciente internado. É neste contato que o Prontuário Afetivo surge. A ideia veio da psicóloga Júlia Fiuza e, em conjunto com a supervisora do setor de serviço social, Celina Navarro Grassi, já foi colocada em prática há algumas semanas. Com as informações colhidas, o prontuário é então confeccionado em folha A4, com canetas coloridas, pensadas propositalmente para chamar a atenção de quem o vê. Esta folha é plastificada e apresentada ao paciente, que escolhe se quer conhecer seu Prontuário Afetivo. O resultado da iniciativa não poderia ser melhor, como contou Celina à reportagem GP. Veja.

“Como o prontuário é colado ao lado do leito, nós podemos chegar e não só conversar sobre assuntos do hospital, mas trazer para ele a questão familiar. Isso faz com que ele se sinta um pouco mais em casa, acolhido, sentindo que está sendo amado de alguma forma. Todos que passam pelo paciente podem conversar um pouco sobre o que ele gosta. É uma distração. Tem dado muito certo, tem sido muito bacana. É uma humanização a mais que estamos fazendo,” finaliza ela.

* Quando o paciente recebe alta do CTI o prontuário é entregue a ele,  para levar pra casa, como lembrança, caso queira.


Mais da Gazeta