Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1931
Pará de Minas 18/08/2022


exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

AFINAL, ONDE ESTÁ A VERDADE SOBRE O “FECHAMENTO” DA COOPARÁ?

exclusivo

GIRANDO POR AÍ

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

HISTÓRIA DE VIDA

WANDERCY CORREA STEIN, 85
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“A GAZETA sempre mantém a população pará-minense atualizada, com informações precisas!”
CARLOS ALBERTO DE MOURA MORATO, empresário.

Notícias Variadas

INFORMAÇÕES DETALHADAS DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO RIO PARAOPEBA

A Vale lançou ontem, 5ª feira, 1, uma página que concentra as principais informações sobre o monitoramento da qualidade de água do rio Paraopeba. De acesso público, qualquer pessoa pode acessar dados técnicos, gráficos, mapas, relatórios e notas técnicas que retratam a qualidade das águas, além de links para sites de outras instituições que também monitoram o rio, como o Igam - Instituto Mineiro de Gestão das Águas. A ferramenta reforça o compromisso e a transparência da Vale para recuperação do rio. Todos os conteúdos estão disponíveis no portal: vale.com/reparacao. O monitoramento é realizado desde 25 de janeiro de 2019 em cumprimento às exigências legais dos órgãos ambientais e aos compromissos firmados pela empresa com o intuito de entender o impacto do rompimento nas águas superficiais para subsidiar os órgãos responsáveis a deliberarem quanto às ações necessárias para recuperação da bacia. No portal ainda é possível verificar parâmetros como avaliação de metais, turbidez, presença de sólidos, oxigênio dissolvido, entre outros, além do Boletim Informativo do Cidadão, material produzido regularmente pelo Igam sobre a qualidade da água do rio Paraopeba. Atualmente são 70 pontos de monitoramento, mais de 38 mil amostras coletadas, cerca de 4 milhões de resultados de análises de água, solo e sedimentos, além de cerca de 250 profissionais envolvidos no processo. Para modernizar ainda mais o processo também é realizado o monitoramento automático, por meio de 11 estações telemétricas, o que permite a medição remota de hora em hora, com transmissão de dados via satélite, aumentando a eficiência das informações. As amostras coletadas são encaminhadas para laboratórios especializados onde são analisados mais de 150 parâmetros. Desde janeiro de 2019, a qualidade da água do rio Paraopeba é monitorada pelo Igam e pela Vale. Alguns dos afluentes também são acompanhados de forma preventiva, assim como o reservatório da Usina Hidrelétrica de Três Marias e o rio São Francisco, uma vez que não foram afetados pelos rejeitos. Todo o trabalho é acompanhado por auditoria técnica e ambiental independente, indicada pelo Ministério Público de Minas Gerais. Os dados obtidos pelos trabalhos de monitoramento são periodicamente entregues aos órgãos fiscalizadores.

RESTRIÇÕES DE USO DA ÁGUA - O Igam, a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais e a Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento mantêm a recomendação de não utilização da água bruta do rio Paraopeba no trecho que abrange os municípios de Brumadinho/MG até o limite da Usina hidrelétrica Retiro Baixo, em Pompéu/MG. O uso da água nos trechos que estão antes do local afetado pelo rompimento, em Brumadinho, e depois da UHE Retiro Baixo estão liberados para os mais diversos fins, e não existe nenhuma restrição pelos órgãos públicos.

Mais da Gazeta