Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1931
Pará de Minas 18/08/2022


exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

AFINAL, ONDE ESTÁ A VERDADE SOBRE O “FECHAMENTO” DA COOPARÁ?

exclusivo

HISTÓRIA DE VIDA

WANDERCY CORREA STEIN, 85
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“A GAZETA sempre mantém a população pará-minense atualizada, com informações precisas!”
CARLOS ALBERTO DE MOURA MORATO, empresário.

Notícias Variadas

BAIXO ÍNDICE DE CONTAMINAÇÃO POR COVID 


Felizmente o HNSC - Hospital Nossa Senhora da Conceição está na contramão das estatísticas que mostram grande número de profissionais da saúde sendo vitimados pela covid-19, tanto nos tratamentos demorados como nas situações que vão a óbito. Segundo dados divulgados pela Secretaria Estadual de Saúde, os técnicos de enfermagem já respondem por um terço de todas as mortes provocadas pela doença em Minas Gerais. A planilha também mostra adoecimentos e óbitos de agentes comunitários e de combate a endemias, seguidos por médicos e dentistas. Logo atrás aparecem as mortes entre técnicos de radiologia e laboratórios, além de fisioterapeutas, nutricionistas e outros. A maior parte das contaminações acontece no próprio ambiente de trabalho e é nesse quesito que o HNSC se destaca ainda mais, tendo em vista o baixo número de casos registrados. A enfermeira Carla Cortez dos Santos, coordenadora da CCIH - Comissão do Controle de Infecção Hospitalar informou que do início da pandemia até agora, somente 72 profissionais foram contaminados, dos mais de 500 que prestam serviços na Instituição. O ápice aconteceu em dezembro, quando o vírus atingiu 28 funcionários. E a satisfação dela aumenta ao citar que todos os que testaram positivo para a doença tiveram casos leves, que foram tratados em domicílio mesmo. Carla credita esse bom resultado às permanentes capacitações profissionais de todas as equipes, voltadas para controle rigoroso de infecções e mais segurança no trabalho. Carla também comentou com a reportagem GP sobre o crescimento dos casos de infecção por covid-19 em Pará de Minas, sobretudo nas faixas etárias mais jovens. Ela reconhece que isso se deve a dois fatores - o 1° é a imunização das pessoas da terceira idade e o outro é o descuido dos mais novos.


Mais da Gazeta