Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1924
Pará de Minas 01/07/2022


exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

Entre outras queixas dos leitores GP leia: “ATÉ A NATUREZA ESTÁ FICANDO MUITO LOUCA”

exclusivo

O editor GP escreve mais uma crônica: COMO VOCÊ VÊ OS ATUAIS POLÍTICOS DESTA CIDADE?

exclusivo

“SOFRI A INTERDIÇÃO TOTAL DA MINHA CASA, POR RISCO DE DESABAMENTO”

exclusivo

QUEM FOI

MARIA VILAÇA FERREIRA DE REZENDE
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“O GP Jornal traz as informações nas medidas certas!”
SÉRGIO SANTOS DE SOUZA, engenheiro mecânico.

Notícias Deputados

“O EDUARDO É MESMO CONTRA O VOTO IMPRESSO?”


Apenas 25 dos 53 deputados da bancada mineira no Congresso Nacional apoia a pauta do voto com comprovante impresso, também chamado de voto auditável. 9 são contrários e 19 ainda não opinaram. A proposta, que foi uma bandeira de campanha do presidente Jair Bolsonaro - desde antes à sua eleição, em 2018 - recebeu duras críticas da oposição. No entanto, alguns partidos do campo progressista defendem publicamente a proposta bolsonarista, como é o caso do PDT, do pré-candidato ao Planalto, Ciro Gomes. Na bancada mineira, a maioria dos deputados de esquerda é contrária ao voto impresso, com destaque para os que já responderam da bancada do PT, todos contra o voto impresso. Porém, há também representantes de PSDB, MDB e Republicanos que são contra essa mudança. Por outro lado, entre os favoráveis, há políticos de direita, centro e até mesmo de oposição a Bolsonaro.

Posto isso, um(a) leitor(a) enviou mensagem, diretamente para o editor GP, dizendo que Eduardo Barbosa já se declarou contrário ao voto impresso. Como não poderia deixar de ser, a reportagem GP entrou em contato com o conhecido deputado federal local. Veja o que ele disse.

“Sobre a questão do voto impresso, nossa bancada ainda não se reuniu sobre o tema e não foi discutido o referido projeto de lei. Para emitir qualquer juízo de valor a respeito do tema, afastando as paixões políticas, é necessário analisar tecnicamente como será o texto legal. Portanto, no momento de conhecimento profundo sobre o tema, a população saberá o meu voto,” pondera Eduardo.



Mais da Gazeta