Selo GP ANO 37 - Nº 1861
Pará de Minas 08/04/2021
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
Selo GP ANO 37 - Nº 1861
Pará de Minas 08/04/2021
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e imparcialidade, desde 84

GENTE PENSANTE 


01/04/2021 | Colunista
<p>

<p><b>GENTE PENSANTE </b></p><br></p>

VEJA NA EDIÇÃO 1860: NAS BANCAS DE 02/04 A 08/04. DEPOIS, SÓ NA GAZETA. Veja também a crônica deste mesmo colunista da edição 1859 abaixo:

EXISTEM OUTROS MOTIVOS, ALÉM DOS JÁ CONHECIDOS, PARA SE USAR MÁSCARA?

Jovens recém-saídos da espinhenta adolescência reuniram-se no novo bar, para falar de abobrinhas, dos outros e rir muito, como sempre. Nunca vi tanto riso sobre a vida alheia. São casos verídicos da cidade, mas eles colocam pimenta brava sobre os casos, porque a vida não é a deles. Dessa vez, porém, eles estavam rindo era apenas das máscaras que as pessoas que estavam chegando naquela praça de alimentação usavam. Mesa sim, mesa não, os entrantes iam sentando-se e retirando os variados tipos de máscaras de tecido... O maquiador, que na verdade era o mais linguarudo da turma, para quem fazia criativos deboches relâmpagos, abaixou o pescoço sobre a mesa, ao soltar essa, depois que todos também inclinaram seus corpos, para ouví-lo. Disse com voz baixinha:

- Finjam que estão olhando para a esquerda e, depois, um a um, vão olhando para a perua rosê, que acaba de entrar, à direita. Jesuuus! Blusa, calça, cinto, sapatos, bolsa e até chapéu - acreditem!!! - e máscara, tudo cor de rosa. Totalmente over!!! 

Evidentemente, o um a um dele não funcionou e todos, fofoqueiros de carteirinhas, olharam para a mulher e seu novo e jovem companheiro, de uma vez só, fazendo com que o riso coletivo fosse inevitável. As ruidosas e maldosas gargalhadas chegaram aos ouvidos de todos ali - não eram muitos. Os comentários naquela mesa não pararam. A produtora deu a sua alfinetada:

- Over é pouco demais! Ela é a própria Pantera Cor de Rosa! (risos sem fim).

O cabeleireiro não deixou por menos:

- Eu tenho um tinta pinkíssima lá no salão que cairia como uma luva nas madeixas (cabelo) dela, para completar esse baranguérrimo look. (mais risos).

Divertiram-se tanto, falando horrores daquela empresária, que saiu do nada e cresceu na vida, que nem perceberam que a alvejada chegou, sorrateiramente, na mesa deles. Pediu licença para ler um texto que ela tinha copiado das redes sociais. Passado o susto de todos, que aceitaram, falsamente, o pedido dela, ela leu, pausadamente, olhando nos olhos de um por um:

- A máscara era pra prevenção da covid, mas trouxe consigo alguns propósitos. Ela veio também para baixar o nariz de quem vive com ele empinado; puxar as orelhas de alguns, até entendermos que elas feitas para ouvir; bloquear a boca de todos, até entendermos que é preciso pensar mais e falar menos; esconder o rosto, para aprendermos a sorrir com os olhos; cobrir os lábios, para aprender a amar com o coração. Ela veio, enfim, para nos dizer que ninguém é melhor que ninguém. A vida é um sopro e o uso da máscara, de qualquer modelo e cor, é um ótimo momento para todos nós fazermos uma reflexão!

E você, o que pensa sobre esses fofoqueiros de plantão que existem em todo e qualquer lugar? Uma boa leitura! 



O editor GP escreve mais uma crônica: O perigoso coronavírus e a insensata desobediência dos brasileiros


Mais da Gazeta

Exclusivo

QUEM FOI


LENIR DA CONCEIÇÃO MEDINA?
<p><p></p>

<p><b>QUEM FOI</b></p><br></p>

ADORO O GP JORNAL

“Admiro o GP Jornal, por permanecer no mercado, há tantos anos, e com a mesma qualidade das informações!”
MARIA ELIZA C. FARIA, empresária
Adoro o GP Jornal