Selo GP ANO 37 - Nº 1861
Pará de Minas 08/04/2021
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
Selo GP ANO 37 - Nº 1861
Pará de Minas 08/04/2021
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e imparcialidade, desde 84

GENTE PENSANTE

24/12/2020 | Colunista
GENTE PENSANTE O editor GP escreve mais uma crônica: Querer é realmente poder ou será que isso não tem nada a ver com nada?

VEJA NA EDIÇÃO 1847: NAS BANCAS DE 25/12 A 31/12. DEPOIS, SÓ NA GAZETA. Veja também a crônica deste mesmo colunista da edição 1846 abaixo:

O PESADO FARDO DE CARREGAR UMA CULPA, MESMO NÃO SENDO CULPADO...

Colegas de faculdade, os 2 estudantes tiveram diferentes recepções no mercado de trabalho. O mais alegre, ainda no 4º período, já estava contratado como estagiário remunerado, coisa rara na área profissional que eles escolheram. O menos alegre sofria, desde então, porque faltavam apenas 2 meses para a formatura e ele não havia conseguido ainda pular da teoria da universidade federal, para a prática, no mercado de trabalho. Passada a grande noite de formatura os 2, como os outros demais 17 colegas que chegaram à reta final do curso, naturalmente, se distanciaram. O rapaz mais alegre, porém, sentia falta da convivência diária com o colega menos alegre. Comentou com sua esposa, no café da manhã:

- Nunca mais vi o fulano... Até o dia da nossa formatura ele ainda não tinha conseguido colocação no mercado. 

A esposa, advogada, disse-lhe:

- Lembra que sua mãe avisou, antes do vestibular, que o mercado de vocês é muito restrito, uma verdadeira panelinha? Ainda bem que você teve sorte! Sem contar que também é inteligente, né? Me puxou... (riso).

Coincidência ou não, exatamente naquele mesmo dia, surgiu uma vaga na empresa onde o rapaz mais alegre trabalhava. Ao saber dela, procurou o departamento de RH - Recursos Humanos e sugeriu o nome do colega, ainda desempregado. Em seguida, ligou para ele e deu a notícia da oportunidade, sugerindo que ele enviasse rapidamente o currículo e demais dados. 2 dias depois, o colega já estava na última fase da seleção com a vaga sendo disputada entre ele e apenas mais um candidato. No outro dia, saiu a boa nova, quando o amigo que o indicou correu, para lhe dar a notícia:

- Ei, você foi o escolhido! Vai trabalhar comigo!

Comemoraram aos gritos e, como era sexta-feira, combinaram de se encontrar no barzinho perto da faculdade, como nos velhos tempos. Sentaram-se, beberam, comeram petiscos, contaram muitos casos e falaram do sonho de trabalharem juntos. Lá pelas tantas, tudo que falavam era motivo de muitos risos. Riam tanto que até choravam. De repente, o moço menos alegre parou de gargalhar, ficou seríssimo e falou:

- Vamos parar com isso! Rir demais assim não é bom...

- Como assim? O que aconteceu?

- Nada não... É que eu me lembrei que eu estava também muito feliz, rindo muito, durante a 1ª vitória do Lula, quando me ligaram para me avisar que o meu pai tinha morrido.

- Que isso, cara? Uma coisa não teve nada a ver com a outra. Tire essa culpa das costas. Ele não morreu, porque você estava alegre, claro que não... Pare com isso, pelo amor de Deus!

E você, já se culpou por alguma coisa, mesmo sabendo que não ela aconteceu por sua culpa? Uma boa leitura!

Mais da Gazeta

Exclusivo

QUEM FOI


LENIR DA CONCEIÇÃO MEDINA?
<p><p></p>

<p><b>QUEM FOI</b></p><br></p>

ADORO O GP JORNAL

“Admiro o GP Jornal, por permanecer no mercado, há tantos anos, e com a mesma qualidade das informações!”
MARIA ELIZA C. FARIA, empresária
Adoro o GP Jornal