Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1918
Pará de Minas 20/05/2022


exclusivo

GANHO PESSOAL

exclusivo

GIRANDO POR AÍ

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

CANTORA LOCAL VAI DIRETO PARA A FINAL DO CANTA COMIGO

exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

QUEM FOI

NELSON ALVES MARZAGÃO?
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“Todo esforço merece reconhecimento e o GP Jornal sabe valorizar cada um de nós, como ninguém!”
VITOR DOS SANTOS SILVA, estudante de educação física.

Notícias Prefeitura

EX-VICE PREFEITO DIZ QUE TEM CONSCIÊNCIA LIMPA

O vice-prefeito de Pará de Minas, Zezé Porfírio, teve cancelado de vez o sonho de ocupar uma cadeira no Legislativo de Pará de Minas. Ele teve 881 votos, mas responde a um processo de improbidade administrativa, por ter esbarrado na Lei da Ficha Limpa por causa de uma licitação pública realizada pela prefeitura, em 2011, quando era prefeito. Ele recorreu ao STF – Supremo Tribunal Federal, mas perdeu por unanimidade de votos na sessão virtual. A reportagem GP conversou com ele. Veja.

“A satisfação que eu devo à população de Pará de Minas, cidade que eu amo, é de que fui injustiçado, um processo que me tirou a oportunidade de poder estar ocupando uma cadeira na câmara. Tive um fio de esperança, que infelizmente se encerrou. Esse processo, a respeito de quase 11 anos atrás, foi por um carnaval que fizemos no Parque de Exposições, um processo de licitação que passou pelo jurídico e foi feito a licitação das bandas, banheiro químico e tendas, um só, para que ficasse mais econômico para a prefeitura, como ficou. O Ministério Público interpretou que estava fora da lei e que não poderia ter feito às licitações tudo junto, teria de ser separado: bandas, tendas e banheiros químicos. Quando me candidatei a vereador tive uma surpresa boa, muitas pessoas me dariam seu voto, mas infelizmente faltando 15 dias para as eleições, fui apunhalado com um processo desses. Se eu soubesse desse processo não teria me candidatado. Agradeço aos 881 votos que tive, pois mesmo penalizado pela justiça o povo acreditou e votou em mim. Sigo tranquilo, com a consciência limpa, mas triste por uma coisa que nunca esperei acontecer comigo. Sou a favor de que o Ministério Público olhe as prefeituras, não só elas, como todos os políticos, mas um processo como esse, que foi passado pelo jurídico, e eu agora ser penalizado, não dá. Eu fui candidato a vice-prefeito, esse processo era pra ter tirado, então não sei o que aconteceu e o porque dessa injustiça. Nos meus 20 anos de vida pública nunca fui chamado por ninguém de ladrão e corrupto, o que é um motivo de orgulho muito grande para mim. Essas portas se fecharam, mas tenho certeza que outras abrirão,” afirma Zezé.

Mais da Gazeta