Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1931
Pará de Minas 18/08/2022


exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

AFINAL, ONDE ESTÁ A VERDADE SOBRE O “FECHAMENTO” DA COOPARÁ?

exclusivo

GIRANDO POR AÍ

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

HISTÓRIA DE VIDA

WANDERCY CORREA STEIN, 85
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“A GAZETA sempre mantém a população pará-minense atualizada, com informações precisas!”
CARLOS ALBERTO DE MOURA MORATO, empresário.

Notícias Prefeitura

ACOLHIMENTO A IDOSOS, EM TEMPOS DE ISOLAMENTO

O distanciamento social imposto pelo combate à transmissão do coronavírus, a cada dia, faz surgir alternativas de adaptação à nova realidade, em praticamente todos os setores da sociedade. O Centro de Convivência dos Idosos é uma das instituições do poder público de Pará de Minas que tem mostrado grande capacidade de adequação dos seus serviços, diante da prolongada e necessária quarentena. Localizado no JK e frequentado regularmente, de 2ª a 6ª feira, por um grande número de idosos de todas as regiões da cidade, o Centro de Convivência teve suas portas fechadas em março, para barrar o avanço da covid-19. Acostumados às rotinas de atividades, os habituais participantes das oficinas, dos momentos de oração e do tradicional forró, passaram a ficar recolhidos em suas casas, privados do convívio social e, em alguns casos, até mesmo do familiar. Preocupada com essas circunstâncias, que podem gerar, inclusive, situações de vulnerabilidade, ocorrências de violação dos direitos e de agravamento de problemas emocionais no público que atende, a coordenação do Centro de Convivência, inicialmente, recorreu à tecnologia para manter o contato com os idosos, por meio do grupo Melhor Idade, no whatsapp. Mas, como nem todos os frequentadores têm acesso à internet, optaram por criar uma modalidade diferenciada de visita domiciliar para aqueles que não usam as redes sociais. Mediante agendamento prévio, a orientadora social do Centro de Convivência, Cleusa Moreira Januário, começou a ir até as casas desses idosos. Permanecendo do lado de fora das residências, geralmente no portão, e seguindo com rigor as normas sanitárias para evitar a disseminação do novo coronavírus, como o uso de máscara, álcool em gel e o distanciamento, ela procura manter o vínculo.

Mais da Gazeta