Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1923
Pará de Minas 24/06/2022


exclusivo

UNIVERSO FAPAM

exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GIRANDO POR AÍ

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

ATÉ AQUI,FATALIDADE ASSIM SÓ ERA VISTA NO FILME PREMONIÇÃO

exclusivo

HISTÓRIA DE VIDA

VERA LÚCIA SENA VALADARES
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“O GP Jornal é informação e entretenimento, com qualidade e confiabilidade!”
VINÍCIUS PEREIRA DOURADO, médico cardiologista

Notícias Coronavírus

MOBILIZAÇÃO PELA REABERTURA DO COMÉRCIO

Atendendo solicitação da Ascipam e várias outras associações empresariais do estado, a Federaminas voltou a solicitar ao Governo de Minas a flexibilização urgente das medidas preventivas à Covid-19, para evitar a falência de mais de 50% das pequenas empresas. O pedido da Federaminas foi acompanhado do resultado de uma pesquisa, realizada na última semana, mostrando também a necessidade de investimentos no setor varejista. Segundo o presidente da entidade, Valmir Rodrigues, “somente com flexibilização e injeção de recursos será possível evitar uma quebradeira em massa”. A pesquisa revelou que em Minas Gerais, 92% das empresas ouvidas faturam até R$ 400 mil por ano, o que endossa a importância desses empreendimentos para a manutenção da economia no estado. Também de acordo com a pesquisa, quase 22% das empresas de micro e pequeno porte não conseguem ficar fechadas por mais 5 dias, gerando um potencial de demissões superior a 1 milhão de pessoas, ou seja, dobrando o número de desempregados que Minas Gerais tinha no fim de 2019. A diretoria da Ascipam agradeceu o empenho da Federaminas e citou o exemplo dos lojistas de Pará de Minas que, mesmo sufocados financeiramente falando, estão se estruturando para reabrir as portas com segurança. 

Mais da Gazeta