Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1929
Pará de Minas 04/08/2022


exclusivo

GIRANDO POR AÍ

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

MAIS UMA VEZ, SEÇÃO GRITO POPULAR MOSTRA SUA FORÇA

exclusivo

UNIVERSO FAPAM

exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

HISTÓRIA DE VIDA

OLINDA MARIA STAIN, 81
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“O GP Jornal traz informações corretas, com toques de criatividade e alegria, fazendo agradável a leitura!”
DENY OSWALDO DE ALMEIDA LEITE, contador.

Eventos GP

261ª Mostra GP: pinturas

Convidado para expor na 261ª Mostra GP, nos meses de maio e junho, o artista Mário Augusto Pelegrini (foto no detalhe), 68, falou para a reportagem GP sobre as suas pinturas e desenhos, que já estão expostos na sede do GP Jornal, na rua Alferes Esteves, 54, Centro. Confira.

“Eu sou natural de São Paulo/SP e nos casos das gravuras geométricas eu fazia no papel, mas demorava cerca de quinze a vinte dias para realizar apenas uma e a cor não saía sempre igual. Aí, quando me mudei para Pará de Minas, há nove anos, depois de dois anos morando aqui, lembrei que no computador tem aquele programa Paint e comecei a fazer gravuras geométricas nele, já que no digital há muito mais variedades de cores. Hoje, já tenho mais de cem mil gravuras digitais. Comecei a fazer gravuras geométricas também com programas que eu compro e vou criando. Como tenho tempo de sobra, me aventurei em pintar também em acrílicos, madeiras, azulejos, vidros e lonas. Já tenho, aproximadamente, cem quadros. Como eu não sei desenhar, chamo minhas pinturas de rabiscos modernos. Fizeram uma reportagem, há alguns anos, sobre as minhas artes para o jornal O Tempo, quando a repórter Lígia Kalil comparou as minhas artes com a de um mestre holandês Piet Mondrian, que eu nunca tinha ouvido falar, pois não estudei História de Arte. Só que ela disse que a minha era diferente da dele, pois ele usava cores básicas e, como eu faço no computador, a minha é mais diversificada e colorida.”

AS PESSOAS GOSTAM? - “Já expus na Escola de Artes - Sica, mas vendo mais pela internet. Já vendi quadros para o saudoso senador Romeu Tuma. É claro que, como toda arte, tem gente que gosta e gente que não gosta. A beleza de uma obra está nos olhos e no coração de quem vê. A maioria das pessoas gosta dos meus quadros. Quem não gosta mesmo não faz nenhum comentário. Sempre posto na internet, eles gostam e alguns até me compram. Essa é, praticamente, a única forma que eu vendo e o valor varia de noventa a duzentos e cinquenta reais.”

Mais da Gazeta