Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1931
Pará de Minas 18/08/2022


exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

AFINAL, ONDE ESTÁ A VERDADE SOBRE O “FECHAMENTO” DA COOPARÁ?

exclusivo

GIRANDO POR AÍ

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

HISTÓRIA DE VIDA

WANDERCY CORREA STEIN, 85
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“A GAZETA sempre mantém a população pará-minense atualizada, com informações precisas!”
CARLOS ALBERTO DE MOURA MORATO, empresário.

Eventos GP

258ª Mostra GP Artesanato

Convidado para expor na 258ª Mostra GP, nos meses de janeiro e fevereiro, o pintor José Patrício Dutra, 56, contou à reportagem GP um pouco de como surgiu o seu interesse pelo artesanato com a base das folhas de coqueiros e palmeiras. Veja.

“Além de pintar paredes de casas e apartamentos, também faço pintura em bases de folhas de palmeiras e coqueiros. Tudo começou, quando eu vi, na Bahia, uns trabalhos de pintura sobre folhas de palmeiras. Quando voltei, fiz um curso no Senar - Serviço Nacional de Aprendizagem Rural e fui aprendendo como tirar as folhas, em qualquer lugar. Todas as peças que eu faço são criadas por mim e saem da minha cabeça. Eu preparo tudo e depois dou o acabamento. Estou fazendo esse tipo de trabalho há, mais ou menos, um ano, produzindo abajures, petisqueiras, fruteiras e peças, para colocar as mais diversas coisas,” conta José.

TEM TIDO RETORNO? - “As pessoas têm gostado bastante do meu trabalho e tenho vendido muito. Todas as sextas-feiras, eu costumo expor minhas peças na Feirinha de Frutas, ali perto do Supermercado ABC. Porém, só exponho em dias em que não estão chovendo, porque elas não podem molhar. O meu trabalho não é difícil de fazer, pois a folha já dá um toque, para que lado deve ser serrada. Às vezes, têm umas pontas podres nas beiradas e eu tenho de serrar, para tirar a parte ruim da peça e, depois, dar um término. Como já estou acostumado, gasto em torno de vinte minutos apenas para fazer uma peça. Portanto, em uma hora consigo fazer umas três peças. É rapidinho, mas é claro que depende da peça.”

* As peças de José Patrício podem ser adquiridas na GAZETA, durante a exposição ou diretamente com ele, pelos ou 3231-8292 ou 9 9914-2744.

Mais da Gazeta