Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1918
Pará de Minas 20/05/2022


exclusivo

GANHO PESSOAL

exclusivo

GIRANDO POR AÍ

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

CANTORA LOCAL VAI DIRETO PARA A FINAL DO CANTA COMIGO

exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

QUEM FOI

NELSON ALVES MARZAGÃO?
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“Todo esforço merece reconhecimento e o GP Jornal sabe valorizar cada um de nós, como ninguém!”
VITOR DOS SANTOS SILVA, estudante de educação física.

Notícias

AJUDA NA ALFABETIZAÇÃO ESPECIAL

Uma ferramenta criada por um itaunense, portador de deficiência, Cleysson, e utilizada pela primeira vez na Escola Estadual Clóvis Salgado, por uma aluna, Júlia, do ensino fundamental, tem feito a diferença na vida dela que é portadora de necessidades especiais, para que ela possa receber o mesmo conhecimento da turma. Trata-se de um teclado interativo, que ligado a um computador, estimula o aluno a desenvolver sua capacidade intelectual, de maneira lúdica e progressiva. Percebendo o desenvolvimento da aluna através da ferramenta, uma empresa de tecnologia de Belo Horizonte/MG inscreveu o equipamento em uma universidade americana ligada à Nasa - National Aeronautics and Space Administration (Administração Nacional da Aeronáutica e Espaço), que aceitou o projeto, vai aprimorá-lo e produzí-lo em larga escala, podendo atender até a um bilhão de pessoas, em todo o mundo. A reportagem GP conversou com Alexandre Assis, diretor e o coordenador pedagógico da Acticon, empresa responsável por levar o projeto para a América do Norte. Veja o que ele disse.

“Quando você desenvolve um trabalho com universidades americanas, elas abrem uma opção de você fazer uma aplicação dos projetos para o uso na universidade. Essa universidade busca novas tecnologias, para realizar grandes desafios mundiais e também para atender até a um bilhão de pessoas. Tendo isso, nós percebemos a oportunidade de aplicar nosso projeto, junto com um programa educacional, para validação dessa universidade. Tivemos a grande felicidade de sermos qualificados e com isso temos acesso a todos os programas de formação dessa universidade. No Brasil são apenas três empresas, uma delas é a nossa, e no mundo são cinquenta e duas empresas, nesses dez anos de funcionamento da Singularity University. Nesse teclado, nós temos três segmentos de uso de trabalho: * pessoal, para pessoas com deficiência; * de reabilitação, em clínicas que trabalham com pessoas com deficiência; * e de inclusão educacional. As escolas que têm interesse em adquirir esse material, a gente desenvolve junto com um programa educacional,” explica Alexandre.

O TECLADO - A reportagem GP conversou também com o coordenador pedagógico da mesma empresa, Gesse Martins, que ressalta como o teclado beneficia os alunos, dentro do ambiente escolar. Leia.

“O teclado já existe, desde 2001, mas uma empresa mineira, que desenvolve e produz o teclado, encontrou uma possibilidade de verificar que ele tem uma aderência muito grande no setor educacional. Assim, foi feito um contrato com a empresa, especialista há mais de vinte anos no setor de desenvolvimento de tecnologias educacionais, quando foi possível criar um programa de tecnologias educacionais inclusivas. Dentro do projeto, nós temos duas vertentes: uma, que é a de comunicação assistiva, e outra, que é a de descrição de intervenções psicopedagógicas,” ressalta Gesse.

QUEM CRIOU? - A reportagem GP conversou ainda com a professora de inclusão da Escola Estadual Clóvis Salgado, Maria Aparecida Oliveira, que foi a primeira profissional a entrar em contato com a ferramenta. Confira.

“Primeiro eles vieram apresentar o teclado para a gente, para outra aluna, só que esse teclado não era acessível para ele. Aí falamos para tentar com a Júlia, pois ela não tem controle motor, tem uma dificuldade muito grande, não tinha acessibilidade na sala de aula, e foi onde fizemos o teste e deu muito certo com ela. Esse teclado foi criado por um cidadão itaunense, o Cleyssinho, que tem paralisia cerebral e devido às dificuldades que enfrentava, criou esse teclado. Esse teclado substitui aquele teclado normal do computador e a Julia depois de adquirir ele, a alfabetização dela aconteceu rapidamente e ela é a número um da turma,” conta Maria.

Mais da Gazeta