Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1923
Pará de Minas 24/06/2022


exclusivo

UNIVERSO FAPAM

exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GIRANDO POR AÍ

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

ATÉ AQUI,FATALIDADE ASSIM SÓ ERA VISTA NO FILME PREMONIÇÃO

exclusivo

HISTÓRIA DE VIDA

VERA LÚCIA SENA VALADARES
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“O GP Jornal é informação e entretenimento, com qualidade e confiabilidade!”
VINÍCIUS PEREIRA DOURADO, médico cardiologista

Notícias

EDUCAÇÃO MINEIRA COM APENAS 22%?

Deputados estaduais aprovaram, em segundo turno, no dia 25 de julho, na ALMG – Assembleia Legislativa de Minas Gerais, a PEC – Proposta de Emenda à Constituição, que prevê o pagamento do piso nacional aos servidores da educação do Estado. Essa Pec, de autoria do deputado Rogério Correia (PT) foi aprovada por unanimidade, já que os sessenta e oito parlamentares foram favoráveis a essa aprovação. A reportagem GP conversou com um professor da rede estadual e filiado ao Sind-Ute, Rondineli Alves da Silva, que deu mais informações sobre o tema. Informe-se.

“Todo governo alega questões financeiras para não pagar o que é de direito e essa luta pelo piso nacional do magistério vem desde 1988. Então, desde esse período esses direitos são negados, principalmente para nós, trabalhadores da educação. Sabemos que eles não cumprem os vinte cinco por cento constitucionais que todos os Estados têm de cumprir. Nós fizemos um estudo sistemático provando que o governo do Estado de Minas Gerais não aplica os vinte cinco por cento previsto na constituição para a educação de Minas. Ele aplica apenas em torno de vinte e dois por cento. O governo tem que saber gerir os recursos financeiros que são destinados para a educação,” afirma Rondineli.

Mais da Gazeta