Colunistas

Bié Barbosa

Bié Barbosa BIÉ BARBOSA, jornalista e publicitário (UFMG), nascido em Pará de Minas em 22/11/53, é casado com Maíza Lage com quem tem 4 filhos. SEU LEMA: “O SENHOR É MEU PASTOR, NADA ME FALTARÁ”!



05/03/2020 - GENTE PENSANTE

GENTE PENSANTE

VEJA NA EDIÇÃO 1805:
NAS BANCAS DE 06/03 A 12/03.



Veja também a crônica deste mesmo colunista da edição 1805
abaixo: 

QUANDO O INVESTIMENTO EM PROPAGANDA NÃO TRAZ O RETORNO DESEJADO

Durante a realização do 32° Garra, no ano passado, os 2 pavimentos da câmara municipal ficaram abarrotados de gente, faltando, infelizmente, assentos para algumas, não poucas. pessoas. Tirando o constrangimento que o fato causou, houve a alegria de ver que esse evento GP continua prestigiadíssimo, como sempre foi, desde a 1ª edição. Naquela noite, após o encerramento desse que é o Oscar Patafufo, ouvi muitos elogios e, claro, alguns pontos negativos, para os quais a Equipe GP sempre tem ouvidos caninos. Afinal, são as críticas que fazem os eventos GP serem impulsionados e melhorados, a cada ano. Porém, nada do que ouvi ali foi mais importante do que escutei, talvez um mês depois, aqui, na sede do jornal. Um empresário renomado visitou a sede da GAZETA, sendo recebido por mim. Ele me disse assim:

- Eu sempre acompanhei o Garra, por meio da GAZETA, de quem sou assinante, desde que eu voltei a residir em Pará de Minas. Você, talvez, nem saiba disso.

- Claro que sei!

- Mas o que eu quero lhe dizer e falo isso de coração aberto é que eu nunca poderia imaginar que o público do jornal fosse tão representativo em nível de cultura, bem como de nível social. Fiquei impressionado mesmo com o nível daquela plateia que eu vi no Garra!.

- Geralmente, público de jornal – e não é só o da GAZETA – é realmente mais intelectualizado e com todas as necessidades básicas já solucionadas. Afinal, ninguém vai deixar de comprar comida, necessidade básica, para assinar um jornal, necessidade secundária.

O empresário continuou:

- Durante mais de 3 anos, a minha empresa investiu em alguns veículos de comunicação locais, por meio de um planejamento feito por uma agência de propaganda da cidade. Hoje, desconfio de que paguei gato por lebre, porque a mídia não foi nem um pouco técnica. Joguei muito dinheiro fora! Usaram o meu dinheiro em uma mídia que favorecia, principalmente, os próprios donos da agência. Você sabe muito bem como é...

- Para falar a verdade, não sei, porque só sou apenas veículo de comunicação. Não sou agência, mas lamento, profundamente, que isso esteja acontecendo na cidade.

- Pois acontece sim. Está cheio de gente de veículos de comunicação trabalhando também em agências. Dessa forma, eles vêm conduzindo as verbas publicitárias que eles administram para os veículos onde eles também trabalham... Mas o importante é que eu fiquei muito bem impressionado com o público que a GAZETA arrasta e é nele que eu vou investir neste ano, porque é esse público que consome os meus produtos e, com certeza, desta vez terei o retorno financeiro que a nossa empresa deseja.

E você, quando faz propaganda, costuma medir o retorno que ela traz para o seu negócio? Uma boa leitura!

Veja também


 1 2 3 4 5 6 Fim